Como a reforma tributária pode afetar as tarifas de energia elétrica?

Imagem: reprodução web
Compartilhe:
Fim da Publicidade

Essencia de certas atividades está no centro da reforma tributária sobre o consumo de energia elétrica

reforma tributária (PEC 45/2019) foi aprovada no Senado no dia 8 de novembro sem o reconhecimento da natureza essencial da energia elétrica.

Com essa questão em aberto, o setor elétrico mantém a preocupação de que a mudança na tributação venha a aumentar a conta de luz de mais de 89 milhões de consumidores brasileiros, avaliou Claudio Elias, diretor de Tarifas da Volt Robotics.

A reforma tem como objetivo principal simplificar o sistema tributário, tornando-o mais eficiente, transparente e equitativo. A ideia é que a simplificação dos tributos facilite o entendimento e o cumprimento das obrigações fiscais por parte dos contribuintes e crie um ambiente mais favorável aos negócios e ao investimento, estimulando o crescimento econômico e a geração de empregos.

Com a reforma será criado o IVA dual (Imposto sobre Valor Agregado). A substituição dos atuais tributos será feita assim: o CBS (Contribuição Sobre Bens e Serviços), de competência da União, vai substituir o IPI, PIS e Cofins; e o IBS (Imposto sobre Bens e Serviços), de competência dos estados, Distrito Federal e municípios, vai consolidar o ICMS e ISS.

Segundo Elias, uma questão que está no centro da reforma tributária sobre o consumo é a essencialidade de certas atividades, o que tem implicações sobre as alíquotas dos novos tributos.

Caso a energia elétrica não seja incluída no conceito de essencialidade, há o risco dos estados aumentarem as alíquotas de imposto sobre a energia, de modo a compensar perdas de arrecadação.

O reconhecimento da essencialidade seria uma forma de limitar o poder dos estados de aumentar os impostos sobre a energia. “Não se sabe como vão ser calculadas as alíquotas, mas a expectativa é que com o reconhecimento da essencialidade pelo menos não haja aumento da situação que a gente tem hoje”, disse o diretor.

Na tarifa de energia incide o ICMS, PIS/Cofins e CIP (Contribuição de Iluminação Pública). De acordo com a consultoria Volt Robotics, os impostos representam 27% da conta de luz, sendo 18% a representatividade do ICMS e 9% o PIS/Cofins.

FIM PUBLICIDADE

Elias explica que o ICMS sobre a energia elétrica, em alguns estados, é uma das maiores receitas, pois tem uma alta arrecadação e baixa inadimplência.

No ano passado, o Congresso Nacional e o STF (Supremo Tribunal Federal) reconheceram a essencialidade da energia elétrica na Lei Complementar nº 194/22, limitando à alíquota de ICMS sobre a energia em 18% em todos os estados (embora alguns estados tenham conseguido decisões judiciais para aumentar o imposto acima desse teto). Antes, cada estado definia sua alíquota de ICMS.

Imagem: reprodução web

Cashback para o baixa renda

Outra preocupação em torno da reforma é como será o tratamento tributário para determinadas classes de consumidores que têm isenção de impostos, como o consumidor de baixa renda.

“A reforma como estava sendo considerada acabaria com essas isenções”, disse Elias. “Esse é um ponto muito relevante porque poderia gerar um aumento de mais de 30% para o consumidor de baixa renda”, completou.

Para resolver a questão, criou-se um sistema de cashback, onde o consumidor pagaria os impostos, mas depois receberia esse dinheiro de volta. A medida vale para famílias de baixa renda e inclui o consumo de gás, de energia elétrica e outros produtos.

“Tem uma complicação grande porque o cashback pressupõe que o consumidor paga e recebe depois. Você imputa um aumento para depois ele receber. É um sistema fadado a dar problema na implementação e vai acabar onerando o consumidor”, argumenta o diretor da Volt Robotics.

Uma das propostas das associações do setor elétrico é que se reconheça a isenção de imposto para essa classe. Mas caso a ideia do cashback permaneça, que a devolução do dinheiro ocorra de forma simultânea, de tal forma que o consumidor paga e recebe ao mesmo tempo, para não gerar um fluxo de pagamento.

Imposto Seletivo

A PEC também prevê a criação do IS (Imposto Seletivo), com objetivo de taxar produtos que são prejudiciais à saúde e ao meio ambiente, como cigarros e bebidas.

O texto final da reforma excluiu a energia elétrica do IS, pois houve o entendimento que o setor elétrico não poderia ser penalizado apesar de uma parte da geração de energia ser proveniente de termelétricas movidas a carvão, óleo e gás natural. “Isso foi uma conquista para o setor”, disse Elias.

A reforma tributária retornou para a Câmara dos Deputados, de onde o texto original veio, porque foi modificada no Senado.

Quer saber quanto custa instalar seu
Sistema Solar?

Vamos precisar coletar algumas informações básicas, preencha os dados abaixo para nossos Epecialistas dimensionar sua Usina Solar sem compromisso com economia de até 95%.
"Sem compromisso, totalmente GRATUITO"

Fonte: https://canalsolar.com.br/reforma-tributaria-como-ela-pode-afetar-as-tarifas/

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Área de comentários

Seus comentários são moderados para serem aprovados ou não!
Alguns termos não são aceitos: Palavras de baixo calão, ofensas de qualquer natureza e proselitismo político.

Os comentários e atividades são vistos por MILHÕES DE PESSOAS, então aproveite esta janela de oportunidades e faça sua contribuição de forma construtiva.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ASSINE NOSSO INFORMATIVO

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo em seu e-mail, todas as semanas.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

Comunidade Energia Limpa Whatsapp.

Participe da nossa comunidade sustentável de energia limpa. E receba na palma da mão as notícias do mercado solar e também nossas soluções energéticas para economizar na conta de luz. ⚡☀

ASSINE NOSSO INFORMATIVO

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo em seu e-mail, todas as semanas.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

RSS
Facebook
Instagram
YouTube