Energia solar lidera investimentos em transição energética no Brasil

Imagem: Freepik
Compartilhe:
Fim da Publicidade

Levantamento indica que mercado brasileiro de geração distribuída somou US$ 13 bilhões em 2022; tecnologia será maior fonte de geração elétrica do país em 2050

A geração solar distribuída é o mercado que mais movimenta investimentos em transição energética no Brasil, mostra levantamento da Bloomberg New Finance (BNEF). O segmento, referente a sistemas de energia solar de pequeno porte voltados para consumo residencial, comercial e rural, representou US$ 13,4 bilhões em aportes somente em 2022.

O estudo foi apresentado pelo analista de soluções climáticas da BNEF, Vinicius Nunes, durante o Encontro Nacional Absolar, realizado em São Paulo (SP) em 5 de dezembro. “Atualmente, a energia solar é sem dúvida a fonte que mais movimenta o investimento em transição energética no Brasil e na América Latina”, disse o especialista.

Levando em conta também o segmento de geração centralizada, que corresponde a grandes usinas fotovoltaicas conectadas ao sistema elétrico brasileiro, o montante investido na fonte solar em 2022 chega a US$ 17,4 bilhões. O setor de renovável como um todo somou US$ 24,9 bilhões no país no ano passado.

Ainda conforme a BNEF, o Brasil atraiu US$ 86 bilhões em investimentos em energia renovável entre 2013 e 2022. “Excluindo a China, o Brasil é o mercado emergente que mais investiu em transição energética no mundo, muito por causa da energia solar. Na nossa perspectiva, ela será a maior fonte de geração elétrica do país em 2050, com 30% de participação na matriz”, destacou Nunes.

Ao final do ano passado, o Brasil já se posicionava entre os dez países do mundo com maior capacidade instalada de energia solar. O analista da BNEF indicou que, mesmo com esse forte crescimento recente, o potencial de expansão ainda é enorme. “Mesmo na geração distribuída, o Brasil ainda está atrás de vários países, mesmo com mais possibilidade de explorar esse recurso. Pode parecer que esse mercado já está saturado, mas na verdade ele é muito vasto.”

Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostram que o Brasil conta com 89,9 milhões de unidades consumidoras de energia elétrica, das quais apenas 3,2 milhões são beneficiadas pela geração solar distribuída.

Imagem: Shutterstock

A geração solar distribuída é o mercado que mais movimenta investimentos em transição energética no Brasil, mostra levantamento da Bloomberg New Finance (BNEF). O segmento, referente a sistemas de energia solar de pequeno porte voltados para consumo residencial, comercial e rural, representou US$ 13,4 bilhões em aportes somente em 2022.

O estudo foi apresentado pelo analista de soluções climáticas da BNEF, Vinicius Nunes, durante o Encontro Nacional Absolar, realizado em São Paulo (SP) em 5 de dezembro. “Atualmente, a energia solar é sem dúvida a fonte que mais movimenta o investimento em transição energética no Brasil e na América Latina”, disse o especialista.

FIM PUBLICIDADE

Levando em conta também o segmento de geração centralizada, que corresponde a grandes usinas fotovoltaicas conectadas ao sistema elétrico brasileiro, o montante investido na fonte solar em 2022 chega a US$ 17,4 bilhões. O setor de renovável como um todo somou US$ 24,9 bilhões no país no ano passado.

Ainda conforme a BNEF, o Brasil atraiu US$ 86 bilhões em investimentos em energia renovável entre 2013 e 2022. “Excluindo a China, o Brasil é o mercado emergente que mais investiu em transição energética no mundo, muito por causa da energia solar. Na nossa perspectiva, ela será a maior fonte de geração elétrica do país em 2050, com 30% de participação na matriz”, destacou Nunes.

Ao final do ano passado, o Brasil já se posicionava entre os dez países do mundo com maior capacidade instalada de energia solar. O analista da BNEF indicou que, mesmo com esse forte crescimento recente, o potencial de expansão ainda é enorme. “Mesmo na geração distribuída, o Brasil ainda está atrás de vários países, mesmo com mais possibilidade de explorar esse recurso. Pode parecer que esse mercado já está saturado, mas na verdade ele é muito vasto.”

Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostram que o Brasil conta com 89,9 milhões de unidades consumidoras de energia elétrica, das quais apenas 3,2 milhões são beneficiadas pela geração solar distribuída.

Alavancas de crescimento

A relação entre o custo de investimento na tecnologia fotovoltaica e os preços de energia elétrica no Brasil é um dos principais fatores para a perspectiva de crescimento do mercado solar no país. “Há uma tendência natural em todas a tecnologias de queda de preço ao longo do tempo. Isso não é diferente para a energia solar”, explicou Nunes.

“Em 2023, o preço dos módulos caiu mais do que o esperado. Estamos chegando a um cenário em que os fabricantes estão ficando com margens cada vez menores, levando a uma possível consolidação de mercado. Essa redução de preços não é infinita, mas ainda acontecerá novamente nos próximos anos”, previu o especialista.

Ele detalhou que, além de mais baratos, os painéis solares estão se tornando mais eficientes. “Atualmente, os módulos têm uma eficiência em torno de 21%. Nossa curva de projeção mostra que esse número chegará a 34% em 2050. Dessa forma, com a mesma quantidade de dinheiro, será possível gerar mais energia.”

“Considerando ainda as incertezas relacionadas aos preços e subsídios no setor elétrico brasileiro, que tendem a levar a um aumento dos custos, somos levados a ser otimistas com a continuidade da expansão da capacidade instalada de energia solar.”

Outros fatores que devem elevar a demanda por energia solar no país são o avanço da eletrificação do transporte e a produção de hidrogênio verde. “O Brasil ainda tem baixa penetração de carros elétricos, mas acreditamos que a curva de crescimento será muito rápida, da mesma forma que ocorreu com a solar”, disse Nunes.

BNEF estima que, em 2050, o Brasil estará entre um grupo de países em que a participação de vendas de veículos elétricos no total do mercado será de cerca de 50%. “É um patamar mais baixo em relação as regiões líderes, como China e Europa, mas já é muito considerável.”

“Esse será um grande impulsionador da energia solar, pois a eletrificação exigirá muito mais energia da rede. Outro possível driver de crescimento para grandes projetos de geração renovável é o hidrogênio verde. O Brasil é um dos países mais baratos para produzir essa tecnologia. Esse novo mercado poderá criar mais demanda para a construção de usinas”, acrescentou o especialista.

Fonte: https://www.portalsolar.com.br/noticias/mercado/energia-solar-lidera-investimentos-em-transicao-energetica-no-brasil

Quer saber quanto custa instalar seu
Sistema Solar?

Vamos precisar coletar algumas informações básicas, preencha os dados abaixo para nossos Epecialistas dimensionar sua Usina Solar sem compromisso com economia de até 95%.
"Sem compromisso, totalmente GRATUITO"

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Área de comentários

Seus comentários são moderados para serem aprovados ou não!
Alguns termos não são aceitos: Palavras de baixo calão, ofensas de qualquer natureza e proselitismo político.

Os comentários e atividades são vistos por MILHÕES DE PESSOAS, então aproveite esta janela de oportunidades e faça sua contribuição de forma construtiva.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ASSINE NOSSO INFORMATIVO

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo em seu e-mail, todas as semanas.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

Comunidade Energia Limpa Whatsapp.

Participe da nossa comunidade sustentável de energia limpa. E receba na palma da mão as notícias do mercado solar e também nossas soluções energéticas para economizar na conta de luz. ⚡☀

ASSINE NOSSO INFORMATIVO

Inscreva-se para receber conteúdo exclusivo em seu e-mail, todas as semanas.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

RSS
Facebook
Instagram
YouTube